O senso alemão – supérfluo x necessário

Uma das primeiras coisas que me chamou atenção quando cheguei à Alemanha foram algumas particularidades do – como denominei – senso de comunidade alemão. Tratarei das minhas impressões sobre ele em alguns posts. Nesse tratarei sobre a noção de necessário e supérfluo.

Pode parecer algo estranho para o Brasil mas aqui na Alemanha você encontra muitas, muitas, muitas pessoas com celulares que nem sequer tem câmera e ainda são vendidos celulares de flip na Saturn. Porque isso acontece? Simples: porque os Alemães entendem que não precisam de um celular moderno. Outro exemplo: Em algumas épocas do ano – ainda não sei quais – as pessoas costumam colocar as coisas que não usam mais na calçada em frente à suas casas para que outras pessoas levem, sem custo algum. Se não me engano esse tipo de “lixo” é chamado de Sperrmüll. Na grande maioria dos casos, são coisas em ótimo estado de conservação e funcionando. A maior parte das coisas que tenho em casa vem daí, haha. O mais interessante é que as pessoas colocam TODO tipo de coisa: Televisões, cafeteiras, colchões, camas, bicicletas, cadeiras, meses, geladeiras, jogos, roupas, coleções de Kinder Ovo, sofás, micro-ondas, roupas, fitas de VHS, talheres, livros e muito. Isso é o que eu lembro, haha. E todo mundo que passe na rua dá uma olhada e leva alguma coisa. Em alguns lugares chegaram pessoas com carros e levaram bastante coisa. E qualquer pessoa leva: ninguém vai te olhar estranho ou te julgar por ter pego algo do “lixo”. Esses exemplos ilustram o seguinte: um uso muito racional dos recursos. Se alguma coisa não tem mais uso para mim, pode ter para outra pessoa. As pessoas avaliam muito a real necessidade, antes de comprar ou trocar alguma coisa. Isso faz uma diferença enorme na reutilização e no padrão de consumo das pessoas.

PS.:Post inspirado por outro post: Como o pós-consumismo floresce na Alemanha.

Advertisements

Tudo se encaminha :)

Hoje o dia amanheceu meio xoxo, meio broxante; talvez por isso procrastinei em sair da cama… Mas até que foi legal, passei a maior parte do dia lendo blogs e isso deu um gás no ânimo pra viagem, uma vontade de, num estalar de dedos, estar lá curtindo tudo estudar que nada (mentira)

E assim, vamos aos preparativos finais (mesmo!) porque faltam só 4 dias para Alemanha o/

Será?

Será que vou me adaptar? Será que vou aprender a língua? Será que vai dar tudo certo? Será que vou levar as coisas certas?

Todos esses questionamentos, aliados a um desespero maternal, plenamente compreensível, me assombraram esses dias, faltando duas semanas para a viagem…

A ficha começa a cair mais depressa ainda com as despedidas e os preparativos finais. Mesmo com a certeza do perrengue e do aprendizado o frio na barriga ainda sopra forte…

Mas sei lá, vai dar tudo certo. Se não der, deu do mesmo jeito. Agora não tem volta, e vou com a mala cheia de perguntas, dúvidas, incertezas e medos. Mas a certeza de que vou aprender e crescer vai me consolar. Ou não.

Todos “Quandos…”

De repente, não mais que de repente, todos os “quandos…” tornam-se passagens, reservas, dias e horários muito bem definidos.

O e-mail de confirmação fez, finalmente, a ficha cair…

E aí, então começam os preparativos (passar de período foi o primeiro deles, hehe) e todas aquelas coisas de quem vai passar um ano e meio fora. 🙂

Em exatos um mês estarei dentro de uma cultura completamente diferente e longe de tudo aquilo que entendia como habitual e cotidiano. 🙂

Bis Bald =D